O RIO CONTINUA FEIO NA FOTO: Preso por fraudes na Saúde cita Witzel e PGR é notificada


Investigadores da Lava Jato do Rio de Janeiro enviaram à vice-Procuradoria-Geral da República depoimentos que supostamente citam o governador Wilson Witzel no âmbito da Operação Favorito, que prendeu o empresário Mário Peixoto e mais 14 pessoas.

Peixoto é suspeito de ser o verdadeiro dono da organização Instituto Unir Saúde, que gerencia unidades de pronto-atendimento (UPA) no estado. Peixoto também estaria por trás de contratos milionários de hospitais de campanha para a Covid-19. Em outubro passado, a OS foi proibida de ser contratada pelo estado, mas Witzel assinou despacho, em março, permitindo a contratação da OS novamente.

Em um diálogo interceptado pelas autoridades, Luiz Roberto Martins Soares, outro dono da Unir, comemora a decisão de Witzel.

– O ‘zero um’ do palácio assinou aquela revogação da desclassificação da Unir – disse ao telefone.

Esta declaração fez com que as suspeitas recaíssem sobre o governador.

Em comunicado, a PGR afirmou que “não há nenhuma informação acerca deste assunto”.

– Não confirmamos que o governador é alvo de investigação – diz a nota da PGR.

Por causa do foro privilegiado de Witzel, o caso foi enviado direto à Procuradoria.

O governo do estado do Rio de Janeiro não se manifestou sobre a suposta menção a Witzel por parte de um do presos. No entanto, o executivo afirmou que irá descredenciar uma das empresas que foi alvo da operação. O governo também afirmou que irá abrir uma investigação sobre as supostas fraudes em contratos com o estado.

OPERAÇÃO FAVORITO

O empresário Mário Peixoto, ligado ao secretário de Desenvolvimento Econômico do Rio de Janeiro, Lucas Tristão, braço-direito do governador Wilson Witzel (PSC), foi preso na manhã desta quinta-feira (14) na Operação Favorito, deflagrada em conjunto pelas polícias Civil e Federal.

A detenção na Operação Favorito ocorreu no âmbito das investigações da Operação Lava Jato sobre atos durante a gestão do ex-governador Sérgio Cabral.

É atribuída a Peixoto a nomeação de cargos-chave no Detran, Cedae, Inea (Instituto Estadual do Ambiente), Loterj, entre outros órgãos da atual administração estadual. A empresa de sua família, a Atrio Rio, já firmou R$ 81 milhões em contratos com a gestão Witzel, boa parte sem licitação. Ela atua na terceirização de mão-de-obra para o estado.

Além do empresário, também é alvo da ação o ex-presidente da Assembleia Legislativa fluminense Paulo Melo (MDB), e outros três pessoas cujos nomes não foram divulgados.

Postar um comentário

0 Comentários