DESCALÇO NO BAILE: Advogado tem que tirar o sapato para entrar no Fórum e a OAB nem Tchum

Advogado Eduardo Mahon fez um post nas redes sociais criticando a falta de atitude da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) diante às regras que os nobres causídicos estão sendo submetidos na entrada do Fórum de Cuiabá.

Relata que ele mesmo teve que retirar os sapatos para poder passar pelo detector de metais. Situação semelhante àquele que ocorre nos aeroportos.

Mahon ainda reclama que magistrados e promotores não possuem o mesmo tratamento. “Dignidade?”, questiona, ao falar que tem quem fez parte de governo corrupto e é cogitado para ser desembargador.

Leia o post na íntegra:

“Somos tratados como criminosos no local onde trabalhamos e somos “essenciais”. Ontem, tive que tirar até o sapato para entrar no Fórum, mesmo tendo me identificado como advogado,
 de posse da carteira profissional.
E a OAB? Bem, a “nossa” entidade apoia. Surpreendentemente, a instituição que sempre defendeu prerrogativas, aplaude esse tipo de distinção. Juízes são submetidos à detecção de metais? E promotores? Portanto, o mínimo de isonomia é o que garante nossa Constituição e a lei que regula a atividade profissional.
A Constituição garante. Mas a OAB? Ela não. Esse é um dos muitos efeitos esperados dessa perpétua administração. O próximo passo é mais um trampolim interno para o TJ, onde os eleitos entram por elevadores privativos e os advogados vão se submeter à revista. É muito triste, muito embora eu não esteja nenhum pouco surpreso.
Dignidade? Há quem tenha participado do governo mais corrupto da história mato-grossense e seja cogitado para o desembargo…”
Fonte: Reportermt

Postar um comentário

0 Comentários