ROUBARAM A MOBÍLIA DO PARÇA: Tiraram os dentes de ouro do traficante Charlinho antes do enterro

Fotos que circulam pelas redes sociais revelam que o corpo do traficante Charles Jackson Neres Batista, o Charlinho do Lixão, teria sido sepultado, nesta quarta-feira, sem uma parte que ajudava a enfeitar o seu sorriso. As fotografias mostram que duas jaquetas douradas, que era marca registrada do bandido e cobriam seus dentes incisivos, não estavam mais na boca de Charlinho.

Segundo a polícia, o corpo do traficante foi velado, por algumas horas, numa quadra do Complexo da Maré, antes de ser enterrado no Cemitério do Corte Oito, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.O sepultamento aconteceu às 17h, após uma queima de fogos que durou aproximadamente dez minutos. Na saída do cemitério, um grupo de cem pessoas chegou a promover um tumulto ao fazer gestos com as mãos com as iniciais de uma facção criminosa. Ao encontrar o policiamento do 15º BPM (Caxias), houve confronto e correria. Após bombas de gás lacrimogênio serem usadas, a situação acabou sendo controlada.

Charlinho do Lixão é filho do também traficante Charles Batista Silva, o Charles do Lixão.Preso na Penitenciária de Catanduvas,o bandido que pertence a cúpula da maior facção criminosa do Rio, chegou a pedir para ir ao enterro do filho.

Advogados do bandido tentaram um recurso que permitisse o deslocamento dele até o Rio, mas o Supremo Tribunal Federal rejeitou o pedido.Em nome de Charlinho do Lixão, o Tribunal de Justiça havia expedido 12 mandados de prisão. O bandido era o atual chefe do comércio de drogas no Lixão. O Disque-Denúncia ( 2253-1177) oferecia uma recompensa de R$ 2 mil por informações que levassem até a sua prisão.

Na última terça-feira, policiais do serviço reservado do 15ºBPM (Caxias) localizaram Charlinho e mais quatro pessoas em uma casa, no largo da Covanca, em Caxias. O bandido reagiu a prisão e foi morto em uma troca de tiros. dentro da casa, os policiais encontraram dois fuzis, granadas e munição.

O EXTRA

Postar um comentário

0 Comentários