SEM EXPEDIENTE: PF fecha prefeitura de Colorado do Oeste, RO

Após denúncia do Tribunal de Contas da União (TCU), a Polícia Federal está realizando neste momento uma operação na prefeitura de Colorado do Oeste que investiga supostas fraudes nas licitações do município.
A operação segue o mesmo estilo da operação “Pedágio” realizado no final de novembro em Ji-Paraná. Entre os presos em Colorado do Oeste, segundo as primeiras informações, estão o secretário de saúde, Gilmar Dorassio, e membros da comissão de licitação.
Ainda neste mês de dezembro, foram demitidas duas servidoras investigadas por fraude na folha de pagamento na prefeitura de Colorado.
Entenda o caso
Um servidor também do quadro do município foi quem descobriu a fraude. A desconfiança, segundo ele, começou quando servidores passaram a ter padrões de vida divergentes da remuneração recebida pela prefeitura.
“Comecei a pesquisar no site da transparência e descobri essa fraude que é realizada há muito tempo. Quando saia o pagamento, a servidora adulterava os valores do contracheque que era enviado para o banco. Quando compensava no banco, a pessoa apagava os valores alterados e voltava o valor original”, explica.
Uma das servidoras demitidas teria manipulado o próprio salário e o da mãe dela.
A remuneração da servidora, segundo o Portal da Transparência, é R$ 1.987,55. No pagamento de abril, é possível observar que o número 3 aparece antes do adicional quinquênio. Nesse mês a remuneração saltou para R$ 5.174,23.
O Executivo Municipal explicou que o caso foi descoberto quando houve a migração do sistema de gestão, sendo comunicado ao Tribunal de Contas do Estado, Ministério Público, e instaurado um Processo Administrativo Disciplinar, que resultou na demissão das servidoras.
Conforme a Portaria 466/2018, o relatório final resolveu aplicar a pena de demissão a servidora lotada na Secretaria de Administração e Finanças, em razão de ter cometido crime contra a administração pública, improbidade administrativa e transgressão do Art. 133, X, previsto no Artigo, e XIII, da Lei Complementar 071/2012.
O caso segue na justiça e ainda aguarda uma sentença do judiciário.
inforondonia

Postar um comentário

0 Comentários